O Retorno da Coqueluche

Não sei se muitos de vocês perceberam, mas a Coqueluche foi bastante noticiada pelos jornais brasileiros nos últimos dias. Foram publicadas matérias no Globo, no Dia e no Terra, todas falando sobre o mesmo assunto, o aumento do número de casos da doença no Brasil e em vários países do mundo. As matérias podem ser conferidas no Clipping CIEVS RIO neste mesmo Blog.

Dados oficiais disponíveis na internet mostram que na América Latina, o número de casos da infecção pela bactéria Bordetella pertussis cresceu quase cinco vezes entre 2003 e 2008, e em todo o mundo são 50 milhões de casos por ano, com 300 mil mortes (OPAS e OMS respectivamente). Especialistas estão surpresos com surtos da doença registrados nos últimos anos. Em 2010, ocorreram 9.774 casos em um surto na Califórnia, o pior em 50 anos, onde 72% das vítimas eram bebês com menos de seis meses. Na Austrália a coqueluche atacou 35 mil pessoas, de julho de 2010 ao mesmo período deste ano, e 40% foram internadas.

Para relembrar, o Guia de Vigilância Epidemiológica traz informações úteis nesse momento de alerta, como vemos a seguir. A coqueluche é uma doença infecciosa aguda transmissível que compromete o aparelho respiratório, causada pela bactéria Bordetella pertussis. O homem é o único reservatório natural e a transmissão se dá pelo contato de suscetíveis com doentes, por gotículas de secreção.

De distribuição universal, ocorre sob as formas endêmica e epidêmica. Em populações aglomeradas, condição que facilita a transmissão, a incidência pode ser maior na primavera e no verão. Contudo em populações dispersas tal sazonalidade nem sempre é observada. A suscetibilidade é geral, não existe uma distribuição geográfica preferencial, nem características individuais que predisponham à doença, a não ser a presença ou ausência de imunidade específica. Inclusive, a vacinação dos suscetíveis é a medida de controle mais indicada. O indivíduo adquire imunidade duradoura, mas não permanente, após contato com a doença ou vacinação adequada. A proteção pode declinar, em média, de 5 a 10 anos, após a última dose da vacina.

No Brasil, a morbidade já foi muito elevada até o início da década de 80, quando eram notificados mais de 40 mil casos por ano. A partir de 1983, a incidência foi caindo graças à elevação da cobertura vacinal, principalmente a partir de 1998. Entretanto, nos últimos anos, surtos vem sendo registrados, principalmente em populações indígenas. Em 2010, o Sistema de Informações de Agravos de Notificação (Sinan) registrou 427 casos, sendo 80% deles em bebês menores de um ano. No Rio, o número de casos notificados saltou de 13, em 2010, para 27 neste ano, até agora.

Recentemente, as Prefeituras de São Paulo e do Rio de Janeiro, emitiram alerta solicitando atenção dos serviços de saúde para a detecção de casos suspeitos, tratamento e realização de coleta oportuna de amostras para a pesquisa específica de Bordetella pertussis.

O agravo é de notificação compulsória e o grande objetivo da vigilância epidemiológica é acompanhar a tendência temporal da doença para detectar precocemente surtos e epidemias.

Até sexta-feira que vem,

Equipe CIEVS RIO

ps: caros amigos, toda sexta-feira estamos postando uma matéria temática, mas as notícias de saúde pública continuam sendo postadas diariamente no tema Clipping. Confira!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s