Mortes por AIDS diminuem no Estado de São Paulo

aidsDomingo, 1º de dezembro, é o Dia Mundial de Combate à AIDS e no Estado de São Paulo a notícia é boa. Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por AIDS no Estado. Este volume é três vezes menor do que o registrado no ano de pico de ocorrência, em 1995 (7.739) e se encontra entre os totais observados em 1989 (1.661) e 1990 (3.098), primeira década da epidemia de AIDS. Desde 1980, já foram registradas 103.267 mortes no Estado, provocadas pela doença. A pesquisa é realizada pela Fundação SEADE (Sistema Estadual de Análise de Dados), com base nos óbitos registrados nos Cartórios de Registro Civil.

A epidemia de AIDS registrou, em 1986, a ocorrência de 39 mortes masculinas para cada morte feminina. Entretanto, ela logo atingiu as mulheres e nove anos mais tarde, em 1995, esta relação já era de 3 para 1. No início do século XXI, tal relação diminuiu ainda mais e chegou a duas mortes masculinas para cada feminina, permanecendo assim até os dias de hoje. A queda na relação das ocorrências de morte entre os sexos é forte indicativo da relevante expansão da epidemia de AIDS entre as mulheres.

O ano de pico da mortalidade por AIDS entre os homens foi 1995, quando foram registradas 5.850 mortes. Entre as mulheres, tal ocorrência deu-se entre 1995 e 1996, com certa estabilidade nestes dois anos (1.889 e 1.898 óbitos, respectivamente). A partir deste momento, a tendência é nitidamente declinante para ambos os sexos, registrando-se 1.856 casos fatais masculinos e 911 femininos, em 2012.

O padrão etário da mortalidade por AIDS é bem distinto entre os sexos e foi se alterando ao longo do tempo. A primeira constatação é o aumento de dez anos na idade média dos indivíduos que morreram de AIDS no período de 1990 a 2012, que passou de 33,4 para 43,7 anos, entre os homens, e de 29,1 para 43,0 anos, entre as mulheres. Este é um indicador do envelhecimento das mortes por AIDS, que resulta da maior sobrevida dos doentes.

A expressiva reversão na evolução da mortalidade por AIDS no Estado de São Paulo e no Brasil deveu-se, principalmente, aos avanços da terapia antirretroviral altamente potente e à distribuição universal e gratuita dos medicamentos assegurada pelo Ministério da Saúde, desde 1996. A partir deste ano, observou-se relevante aumento na sobrevida dos doentes de AIDS, com melhoria de sua qualidade de vida.

Até semana que vem,

Equipe CIEVS RIO.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s