ESALQ cria comissão para controle da Febre Maculosa

1389791853_m

No último dia 15/01, a direção da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ), em Piracicaba (SP), anunciou a criação de uma comissão técnica permanente com o objetivo de fortalecer a luta contra a Febre Maculosa tanto no campus, quanto no município. A ideia é promover o debate de ações voltadas para a prevenção e controle da doença.

Ao todo, foram nomeados 13 especialistas para compor a equipe, dentre os quais, ecologistas, biólogos, médicos, veterinários, incluindo pesquisadores e também membros das Vigilâncias Epidemiológica Municipal e Estadual.

Dados provisórios da Secretaria Municipal de Saúde indicam o registro de 09 casos da doença no ano passado, com 05 mortes. Em 2012, o município somou 11 casos, incluindo 08 mortes. Atualmente, o índice de letalidade pela doença em Piracicaba supera a média nacional.

Segundo o prefeito do campus da ESALQ, professor Fernando Seixas, o alto índice de mortalidade da doença e também a grande quantidade de capivaras existentes no campus e no município foram os motivos que levaram à criação da comissão. “Diante da nossa preocupação com a Febre Maculosa é que decidimos criar essa equipe, formada por especialistas de diversas áreas. Sabemos que não existe uma única solução para controlar e prevenir a doença, então decidimos unir os conhecimentos dessas pessoas para discutir alternativas e soluções para o problema”, explicou.

A primeira reunião do grupo técnico deverá ocorrer já no próximo mês. Dentre as principais medidas a serem discutidas pela equipe, está a esterilização das capivaras. O animal é o principal hospedeiro do carrapato-estrela, transmissor da doença, que já matou pelo menos 19 pessoas em Piracicaba, desde 2009.

1-capivarinha

O assunto é alvo de pesquisa da professora Kátia Ferraz, do Departamento de Ciências Florestais da ESALQ. Uma das linhas de pesquisa prevê até fornecimento de anticoncepcionais para as capivaras. A ESALQ estima que existam entre 250 e 300 capivaras dentro dos limites do campus.

 “Já temos medidas como a colocação de cercas e alambrados na instituição e agora iniciamos as pesquisas sobre como pode ser feita a esterilização de alguns animais. É estudada inclusive a aplicação de anticoncepcionais. Esta seria uma alternativa para conter o aumento da população de capivaras sem eliminar os indivíduos”, afirmou Seixas.

“Essa é uma das alternativas que serão debatidas, já que permite controlar a população de capivaras. Mas também vamos falar sobre roçada, que é manter o mato baixo para diminuir a proliferação de carrapatos. Queremos discutir propostas que permitam atuar de forma científica na prevenção da Febre Maculosa”, acrescentou Seixas. Ainda segundo o professor, a intenção é que as medidas possam ser difundidas e adotadas também por outros municípios que tenham incidência da doença.

Até semana que vem,

Equipe CIEVS RIO.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s