Vacina contra o Herpes Zóster chega ao Brasil neste mês

8655120a35crisoftNo Brasil, está previsto ainda para este mês a chegada da primeira vacina contra o Herpes Zóster, doença causada pela reativação do vírus da Varicela, por ocasião de uma queda na imunidade, e que acomete principalmente idosos.

O Herpes Zóster, também conhecido como “cobreiro”, apresenta baixa letalidade, além de ser pouco frequente – manifesta-se em menos de 0,5% da população. No entanto, para os indivíduos afetados, os sintomas causam enormes prejuízos. Em geral, aparecem bolhas em determinadas áreas do corpo (geralmente no rosto, no pescoço e nas costas) e dores fortes. Na maioria dos casos, as lesões e as dores regridem com o tempo.

O problema, porém, são as complicações que podem surgir com a manifestação do vírus. A mais comum é a neuralgia pós-herpética. A dor, devido a inflamação de um determinado nervo, tende a tornar-se crônica, comprometendo bastante a qualidade de vida dos pacientes, sobretudo, os idosos. A doença pode causar ainda lesões nos olhos, infecção secundária bacteriana grave no local das lesões e doenças como Hepatite, Pneumonite e Meningoencefalite.

“Diante do sofrimento de quem desenvolve o Herpes Zóster, a imunização é bem-vinda. Vacinas não são exclusivas para crianças, o idoso também tem as suas”, afirmou Renato Kfouri, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIM).

“Como a doença é mais comum na terceira idade, deve se tornar mais frequente no Brasil no futuro com o envelhecimento da população”, explicou Rosana Richtmann, infectologista do Hospital Emílio Ribas, em São Paulo.

A vacina, aplicada em dose única, já está disponível há dez anos nos EUA. Outros países também já estão utilizando o imunobiológico – Canadá, Reino Unido e Austrália; e, mais recentemente, México, Argentina e Colômbia.

Segundo os CDCs (Centros de Controle de Doenças) norte-americanos, a vacina é considerada segura e, até então, não há relato de efeitos adversos graves. Segundo o órgão, em 30% dos casos pode ocorrer dor temporária no local da aplicação e, mais raramente, dor de cabeça, febre e mal-estar. Trata-se da mesma vacina contra a Catapora, com vírus vivo atenuado, mas com uma quantidade maior de antígenos, já que a resposta imune do idoso costuma ser menor.

Embora na maioria dos país a vacina seja indicada para a população acima de 60 anos, no Brasil, a vacinação será estendida para pessoas acima de 50 anos. Conforme salienta Rosane Ritchmann, a resposta imune é maior entre os 50 e os 59 anos. “Quanto mais as pessoas aguardarem, menor será a proteção”, afirmou.

Segundo os especialistas, não há previsão de quando a vacina estará disponível na rede pública de saúde. “Os custos são elevados e seria preciso tirar recursos de outras áreas prioritárias”, explicou Guido Levi, vice-presidente da SBIM. Paralelamente, há um problema de disponibilidade que precisa ainda ser equacionado, já que cada vacina contra o Zóster usa 14 doses da vacina contra a Catapora.

Até semana que vem,

Equipe CIEVS RIO.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s