Brasil pode importar e exportar doenças durante a Copa

torcida_mexico_glauberqueiroz820

As autoridades de saúde brasileiras estão em alerta devido ao risco de importação e exportação de doenças e agravos durante a Copa do Mundo. Cerca de 600 mil turistas estrangeiros são esperados no país para prestigiar o evento. O grande contingente de pessoas vindas de várias partes do planeta favorece o intercâmbio de vírus e bactérias que podem causar doenças tanto nos brasileiros quanto nos estrangeiros.

De fato, o que preocupa é a ameaça de enfermidades que estão relativamente controladas no país, mas em atividade fora daqui, como o Sarampo. “A Europa vive um surto de Sarampo, causada pela queda na adesão à vacinação. O risco é maior para crianças com menos de um ano, que, nessa faixa etária, ainda não foram imunizadas, e moradores de regiões com baixa cobertura da vacina”, afirmou o pediatra Renato Kfouri, presidente da Associação Brasileira de Imunizações (SBIM). Entre abril de 2013 e março de 2014, pelo menos 9.579 casos de Sarampo foram registrados no “velho continente”, segundo levantamento do Centro Europeu para Controle e Prevenção de Doenças (ECDC).

Outro agravo que preocupa as autoridades de saúde é a Meningite. A vacina oferecida na rede pública brasileira protege apenas contra o sorogrupo C, mais comum no país. “Mas há tipos que circulam em outros lugares, como o W-135, no Chile, na Argentina e em algumas partes da África, e podem ser trazidos com os turistas”, explicou Kfouri. No Chile, por exemplo, foram confirmados 32 casos de Meningite W-135 entre janeiro e maio deste ano.

Frente a isto, Kfouri recomenda que os brasileiros atualizem o quanto antes as vacinas obrigatórias, além de adotar medidas capazes de reduzir o risco de transmissão de doenças, tais como como: uso de repelente, evitar grandes aglomerações, lavar bem as mãos periodicamente, e consumir água e alimentos de procedência confiável. Tais cuidados também são imprescindíveis para profissionais que atuam diretamente com turistas, tais como taxistas e funcionários de hotéis, aeroportos e estádios.

Outro agravo que também está no radar das entidades de saúde pública brasileiras é o Chikungunya. Desde o final do ano passado, a Região do Caribe vem enfrentando uma grave epidemia da doença. Entre dezembro de 2013 e maio de 2014, ao menos 61.864 já foram notificados na região. Além disso, a doença já chegou à América do Sul, com o registro de casos autóctones na Guiana Francesa e casos importados no Brasil. No início do mês, seis casos militares brasileiros foram confirmados com a doença em São Paulo. Recentemtente, eles haviam regressado de uma missão de paz no Haiti. Por outro lado, casos importados também foram detectados na Espanha e nos Estados Unidos.

Paralelamente, o risco de transmissão de doenças para os turistas que vem ao Brasil também tem sido alvo de discussão internacional. Um estudo publicado, há duas semanas no periódico, The Lancet avaliou o risco de ocorrência de um surto de Dengue, durante a Copa do Mundo, nas doze cidades-sede. Na ocasião, cientistas europeus e brasileiros, autores do artigo, examinaram dados de diversas fontes para mapear as principais áreas de transmissão.

Durante o processo, eles avaliaram padrões climáticos a partir de quatro agências meteorológicas, com ênfase nos registros de chuvas, que têm grande influência na procriação do mosquito transmissor. Em seguida, os dados foram confrontados com os surtos de Dengue dos últimos treze anos, no mês de julho, em 553 “microrregiões” do Brasil, incluindo as doze sedes do Mundial.

Segundo a análise, o risco foi considerado baixo em Brasília, Cuiabá, Curitiba, Porto Alegre e São Paulo; intermediário em Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Salvador e Manaus; e elevado em Fortaleza, Natal e Recife. “Os esforços para reduzir o impacto e a severidade da Dengue teriam de se concentrar nestas cidades nordestinas”, sugeriu o estudo. Neste século, o Brasil registrou mais casos de Dengue do que qualquer outro país do mundo — mais de 7 milhões entre 2000 e 2013 —, alertou o estudo.

Até semana que vem,

Equipe CIEVS RIO.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s